A dona do pedaço: caio castro sobre beijo gay em próxima novela: “estarei ali para contar uma história”

Compartilhe no WhatsApp

Caio será Rock em A Dona do Pedaço. Foto – Globo.
Caio será Rock em A Dona do Pedaço. Foto – Globo.

Caio Castro viverá um romance homoafetivo na próxima novela das nove, A Dona do Pedaço. Na trama, ele se envolverá com Agno, vivido por Malvino Salvador, que é casado com uma mulher.
Em entrevista ao Notícias da TV, o ator comentou sobre o assunto: “Beijo homossexual não pode ser gratuito, porque aí fica sem sentido e apelativo. Se faz sentido e é pertinente, acho mais do que necessário”, disse ele, que interpretará o lutador Rock, filho mais velho de Eusébio (Marco Nanini) e Dorotéia (Rosi Campos).

Mas ele diz logo que não pretende apenas causar alvoroço e tititi com o relacionamento gay da trama: “Estarei ali para contar a história, não para polemizar qualquer assunto. Não é o que eu quero”.
Caio ainda afirma que dar um beijo em outro homem tem o mesmo peso de fazer uma cena de nudez. “São coisas do gênero que muitas pessoas ainda não se sentem à vontade para assistir, por isso, tem que ter um porquê, uma justificativa”.
A família começará a novela nos anos 1990, sendo despejada de um prédio e invadirá uma casa no bairro do Bixiga, em São Paulo. “O nome do meu personagem vem do desejo da mãe de o filho ser o novo Rocky Balboa [dos filmes de Sylvester Stallone]”.
O personagem de Caio tem o sonho de virar um campeão de boxe e um caráter bastante duvidoso. Primeiramente, ele vai se envolver amorosamente tanto com Fabiana (Nathalia Dill) quanto com Josiane (Agatha Moreira) –ambas serão as vilãs da novela. Já Malvino será Agno, gestor de uma construtora que está com seu casamento desgastado com Lyris (Deborah Evelyn).

Veja também: Órfãos da Terra: Ali fica noivo de “bruxa” que não mostra o rosto

Caio disse ainda que foi atrás de Mike Tyson, nos EUA, para fazer laboratório com o campeão de boxe: “Por que não conhecer o Mike Tyson e pegar alguma coisa dele? Fui para Los Angeles [EUA]. Fui na academia que ele frequentava, falei com as pessoas que o preparavam e também expliquei para ele quem eu sou e qual seria o universo que eu estava me enfiando”, lembra Caio.
“Eu perguntei o que ele pensava na hora que entrava no ringue e ficava cara a cara com o oponente. Ele respondeu: ‘Acredito que vou matar esse cara’. É isso que penso todo dia quando vou entrar em cena”, diz Castro.