O sétimo guardião: judith paga o pato por vingança bizarra

Compartilhe no WhatsApp

O Sétimo Guardião: Judith paga o pato por vingança bizarra

A governanta de O Sétimo Guardião vai virar uma espécie de mulher-bomba no penúltimo capítulo da novela, no ar nesta quinta (16). Judith (Isabela Garcia) vai se suicidar por não conseguir realizar a vingança do fantasma de Egídio (Antonio Calloni). Ela falhará na hora de matar o padre Ramiro (Ailton Graça) e abrirá o jogo sobre o que motivou a matança de protetores da fonte.

No roteiro entregue aos atores, o autor Aguinaldo Silva só explica que a assombração do pai de Gabriel (Bruno Gagliasso) queria que toda a irmandade de guardiões fosse exterminada por fracassar em sua missão: proteger a fonte.

O texto não revela como Judith planejou os assassinatos, nem como ela envenenou as quatro primeiras vítimas. Na novela das nove da Globo, o público viu somente como foi que Aranha (Paulo Rocha) caiu na armadilha de tomar o drinque da morte.

As últimas cenas de Isabela Garcia serão uma discussão com Gabriel para impedir que o mocinho expulse Feijão (Cauê Campos) da irmandade. Ela revelará que o garoto será sucessor dele porque tem a marca da pata do gato nas costas.

Últimas cenas

Depois disso, ela aparecerá comentando com o padre que não teve condições de fazer o jantar. “Não se preocupe, estou sem fome. Mas se preparar um chá…”, soltará o religioso. “Antes do senhor dormir eu trago”, responderá a empregada.

Em seguida, Judith surgirá espiando a conversa de Gabriel com Feijão. Ele começará a explicar o que significa ser o guardião-mor. “Espero que se entendam antes que seja tarde. Enquanto isso vou preparar o chá do padre”, dirá para si mesma.

Na continuação, Gabriel verá ela com uma bandeja com a xícara de chá de Ramiro. Ele confiscará a bebida. Ela, então, terá atitudes contraditórias. Mesmo determinada a executar a vingança do fantasma, não deixará o mocinho beber o líquido e morrer. Chegará ao ponto de discutir com o guardião-mor, inventar uma desculpa esfarrapada e, por último, derrubará o chá no chão.

Sua reação, levantará a suspeita de Valentina (Lilia Cabral). Judith sacará que será desmascarada. Ela irá para a cozinha para cumprir a ordem de Gabriel de fazer um chá para ele e outro para o padre.

Fantasma soberano

Em vez de matar os dois últimos guardiões, ela preparará a bebida letal e a tomará. “Não levou o meu chá?”, questionará o personagem de Bruno Gagliasso ao entrar na cozinha. “Também não levei o do padre… Infelizmente. O seu eu tomei”, falará a governanta, mostrando a xícara vazia.

“Seu pai me mandou fazer isso, assim como mandou matar vocês todos”, avisará a assassina. No entanto, não existem cenas no roteiro indicando a aparição do espírito de Egídio. O guardião-mor questionará se ela está confessando a autoria dos crimes.

“A ideia era matar os sete. Mas sobraram dois. Eu fracassei… E fui punida por isso”, resumirá Judith, para frustração do telespectador que vai ficar sem entender quais eram os planos do fantasma de Egídio após eliminar todos os guardiões.