Bailarina juliana acácio relembra trabalho com crianças especiais

Compartilhe no WhatsApp

No Domingão, você pode acompanhar todo o talento e, claro, a beleza do Balé do Faustão. Mas você já teve curiosidade para saber mais detalhes sobre a vida das bailarinas? Então, aqui no Gshow, você está no lugar certo! Desta vez, batemos um papo com Juliana Acácio, que integra o balé do programa desde 2016. Ela destacou o seu amor pela dança e ainda revelou que já deu aula para crianças com deficiência e necessidades especiais.

A infância em São Paulo

Hoje, aos 25 anos, Juliana olha para o seu passado e relembra a infância em São Paulo, cidade onde nasceu. A bailarina, que tem um irmão mais velho, Julio, e uma irmã mais nova, Luana, destaca a forte relação que sempre teve com os familiares: “Minha infância foi muito bem aproveitada e cheia de primos”, comenta.

Juliana Acácio, bailarina do Faustão

Juliana Acácio, bailarina do Faustão, começou a dançar ainda na infância — Foto: Arquivo pessoal

Foi também nos primeiros anos de vida que Juliana já começou a se interessar pelo balé:

“Desde pequena, eu pedia para fazer. Um dia, vi uma correspondência que tinha a imagem de uma bailarina. Jurava que era para eu fazer balé, mas não era. Então, meu pai me levou para comprar um CD e dançar em casa mesmo”, explica.

Mas não demorou muito para Juliana, enfim, começar a dar seus primeiros passos no mundo da dança.

“Com 6 anos, fiz ginástica rítmica no colégio. Aos 9, entrei no balé e, em 2007, fui para o meu primeiro grande festival de dança, em Joinville (SC), e não parei mais”, conta.

Juliana Acácio é uma das bailarinas do 'Domingão do Faustão'
Juliana Acácio é uma das bailarinas do ‘Domingão do Faustão’ — Foto: Arquivo pessoal

Porém, na adolescência, quando a bailarina tinha 16 anos, algo inesperado aconteceu: ela deslocou o joelho no colégio jogando futebol. A situação fez Juliana parar de dançar por um certo período, mas não pense que o balé ficou longe da sua vida: foi aí que a bailarina começou a dar aulas.

“Dei aula para balé adulto, mas preferi trabalhar com crianças, então comecei a trabalhar com crianças com deficiência e necessidades especiais.”

“Foi quando encontrei um grande amor. Vi que a dança é para quem sente, e não só para quem busca por técnica!”, diz a bailarina.

Juliana também faz questão de exaltar o seu trabalho como professora de dança expressiva para o público infantil com deficiência e necessidades especiais:

“O meu amor por crianças sempre foi indescritível, e foram muitas situações, histórias que me fizeram amadurecer mais cedo”, explica Juliana sobre a atuação como professora de dança.

Bailarina Juliana Acácio na época em que dava aula para a aluna Carol
Bailarina Juliana Acácio na época em que dava aula para a aluna Carol — Foto: Arquivo pessoal

Uma das suas alunas foi Carolina, que tem Síndrome de Down e encontrou no trabalho da Juliana uma ótima oportunidade para se apaixonar pela dança. Andreia, a mãe de Carolina, relembra os bons momentos ao lado da bailarina do Faustão e deixa uma declaração:

“A importância da Ju é imensa. A minha filha (Carol) tem Síndrome de Down e a forma com que a Ju cuidou dela foi além da inclusão. E isso fez toda a diferença. Ela é linda por dentro e por fora!”

Ser uma das bailarinas do Faustão

Juliana Acácio, bailarina 'Domingão' — Foto: TV Globo
Juliana Acácio, bailarina ‘Domingão’ — Foto: TV Globo

Depois de percorrer um longo caminho como bailarina, que começou lá na sua infância, Juliana chegou ao Domingão em 2016 e, agora, fala sobre a sensação de fazer parte de um balé tão importante:

“Subir ao palco, ter o calor da plateia e fazer o que eu amo: dançar.”

Sucesso também nas redes sociais

Fora da TV, Juliana também chama a atenção na internet. Em apenas uma rede social, ela acumula mais de 130 mil seguidores – muitos deles interessados em acompanhar o dia a dia da bailarina e toda a sua beleza. Para manter a forma, Juliana busca sempre por uma boa alimentação e, além da dança, frequenta a academia regularmente.

“Mantenho uma alimentação saudável e restrita, porque tenho intolerância ao glúten, e faço academia todo dia”, relata.

A bailarina, que está solteira, ainda comenta que tem se dedicado bastante ao trabalho:

A bailarina, que está solteira, ainda comenta que tem se dedicado bastante ao trabalho:

“Tenho focado na minha vida profissional, trabalhando bastante e procurando ajudar a família. Só assim para poder chegar alguém para somar, e não subtrair”, conta Juliana.