Demitindo veteranos, globo faz questão de manter autor de 86 anos no seu elenco

Compartilhe no WhatsApp

O autor Manoel Carlos, de 86 anos. Foto – Globo.

O autor Manoel Carlos, de 86 anos. Foto – Globo.

Recentemente saiu a notícia de que a Globo não renovaria o contrato do autor Aguinaldo Silva, de 76 anos. O fato já foi confirmado pela emissora e pelo próprio roteirista, que não lamentou nem um pouco sua dispensa.

Por outro lado, espanta um pouco o fato de que outro autor do canal, Manoel Carlos, há 6 anos sem escrever novelas, ainda seja contratado da casa. Mais do que isso: ele não tem previsão de voltar ao ar.

Manoel, de 86 anos, escreveu tramas clássicas, como História de Amor, Por Amor, Laços de Família, Mulheres Apaixonadas, Páginas da Vida e as não tão bem sucedidas assim Viver a Vida e Em Família (2014), sua última novela.

Depois disso, ele fez apenas uma supervisão de texto, em 2015, numa série do “Fantástico” chamada “Não se apega, não”. Sobre a permanência aparentemente inexplicável do novelista no canal carioca, há quem diga que o contrato de Manoel Carlos com a Globo é vitalício e que ele ganharia por volta de R$ 400 mil ao mês. Com informações de Leo Dias, do Uol.

O AUTOR DEMITIDO…
Demitido recentemente da Globo, após alguns meses do fim da sua última novela, O Sétimo Guardião, o autor Aguinaldo Silva foi irônico ao comentar uma possível troca de emissora, agora que está livre para procurar novos locais para trabalhar.

Em uma postagem no Facebook feita neste domingo (5), um seguidor do autor comentou que seria engraçado vê-lo na emissora de Edir Macedo. “Concordo. Eu mesmo, só de ler seu comentário, quase morri de rir”, respondeu o ex-global.

O comentário do novelista na rede social teve 53 curtidas e diversas respostas. “Aguinaldo Silva por onde for, será sucesso!” escreveu o seguidor Eudis Silva. “Por isso que você é meu autor preferido. Você e seus trabalhos são maravilhosos! Sucesso sempre, rei da nossa dramaturgia”, elogiou o comentarista Marcelo Deodato.

Especula-se que Silva ficou com a relação desgastada com a direção da emissora ao recusar mudanças sugeridas no início de 2019 para O Sétimo Guardião (2018), novela que acabou sendo um grande fracasso de público e de crítica.

Como autor, Aguinaldo Silva aparece creditado em 14 títulos da emissora: Partido Alto (1984), O Outro (1987), Vale Tudo (1988), Tieta (1989), Pedra Sobre Pedra (1992), Fera Ferida (1993, A Indomada (1997), Suave Veneno (1999), Porto dos Milagres (2001), Senhora do Destino (2004), Duas Caras (2007), Fina Estampa (2011), Império (2014) e O Sétimo Guardião (2018).