Bolsonaro desiste do Renda Brasil -Paulo Guedes e Cartão vermelho – Pazuello efetivado

Compartilhe no WhatsApp

Bolsonaro desiste do Renda Brasil -Paulo Guedes e Cartão vermelho - Pazuello efetivado

Pazuello é efetivado como ministro da Saúde e toma posse nesta quarta

Depois de quatro meses como interino, o general Eduardo Pazuello será efetivado nesta quarta-feira (16) como ministro da Saúde. Ele assumiu o posto após a saída de Nelson Teich, que já havia substituído Luiz Henrique Mandetta.

Bolsonaro desiste de Renda Brasil: “Vamos continuar com o Bolsa Família e ponto final”

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse nesta terça-feira (15) que ‘está proibido’ se falar em Renda Brasil e que o programa Bolsa Família vai continuar. ” Até 2022, no meu governo, está proibido falar a palavra Renda Brasil. Vamos continuar com o Bolsa Família e ponto final”, afirmou o presidente em vídeo publicado em suas redes sociais.

Bolsonaro enterra Renda Brasil: Presidente torna humilhação de Guedes um hábito | Josias de Souza

“O feitiço do Renda Brasil foi enfeitiçado. Concebido como grande trunfo eleitoral de Jair Bolsonaro, o que deveria ser um novo e vistoso Bolsa Família foi convertido por Paulo Guedes e sua equipe num instrumento de tortura psicológica de eleitores humildes”, analisa Josias de Souza em sua coluna em vídeo desta terça-feira (15).

Paulo Guedes: “Cartão vermelho não foi para mim”

O ministro da Economia, Paulo Guedes, declarou que não recebeu um cartão vermelho do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) pelos estudos da equipe econômica para congelar aposentadorias e outros benefícios para bancar o Renda Brasil.”O cartão vermelho não foi para mim. Conversei com o presidente hoje cedo. Conversamos sobre as notícias dos jornais. Eu lamentei muito essa interpretação porque, na verdade, tem uma PEC falando justamente em devolver a classe política brasileira o comando sobre os orçamentos públicos”, disse Guedes durante o evento Painel Telebrasil 2020.

Bolsonaro divulgou hoje um vídeo nas redes sociais desautorizando mais uma vez a equipe de Guedes (veja abaixo). No domingo, um dos principais assessores de Guedes, o secretário Especial de Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues, disse ao G1 que o governo estuda desvincular benefícios previdenciários, como aposentadorias e pensões, do salário mínimo.